sábado, fevereiro 11, 2017

Nenhum Cheiro de Alvorada


Imagem: "Mary & Max" de Adam Elliot


NENHUM CHEIRO DE ALVORADA 
(Adriano Pacianotto - primavera de 2016)

Desta vez não houve nada
Nenhum cheiro de alvorada
Pôr-do-sol sem muita calma
A esperança indo embora
Em silêncio, sem palavras

Sem poemas tudo cala
A beleza se apaga
A impaciência faz morada
Nem luar e nem mais nada
O coração me abandonara

Sem olhar de noite alta
Nenhuma lágrima brotara
Não houve porre nem ressaca
Nem sequer instante bom
O vazio me esperava

E agora, já nem brasa
Só fuligem se agitando
Se perdendo pela casa
E infelizes sonhos brandos
Que não queimam mais na alma


quinta-feira, fevereiro 09, 2017

Reiniciando...




Do amor sincero
Que para sempre arde
Resta a corda que precede o cobertor de mármore
Adeus, meu amor que nunca morre                                                Adeus, minha musa, minha saudade



counter
counter
 
Copyright 2009 Adriano Pacianotto. Powered by Blogger Blogger Templates create by Deluxe Templates. WP by Masterplan